O que é a assadura da fralda?

Assadura da fralda, designada também por dermatite ou eritema da fralda, é uma irritação da
pele na zona íntima do bebé, provocada direta ou indiretamente pelo uso de fraldas. Na maioria
dos casos, deve-se ao uso contínuo das fraldas aliado à grande fragilidade da pele do bebé.
É uma lesão dermatológica comum nos 2 primeiros anos do bebé, sendo que o seu pico de
incidência ocorre entre os 9 e os 12 meses de vida.

Causas da assadura da fralda
Fricção da fralda;
Infeção por bactérias ou fungos;
Contacto prolongado com a urina e fezes;
Alergia aos detergentes usados no tratamento da roupa.
Alergia aos toalhetes usados na higiene íntima do bebé;
Alergia a cremes ou a produtos usados no banho e na limpeza do bebé.
Dermatite de contato por substâncias químicas presentes na fralda;
Excesso de humidade causado pelo suor nas áreas cobertas pela fralda.

Sintomas da assadura da fralda
A intensidade da assadura pode variar desde lesões pequenas e pouco avermelhadas até
irritações difusas e intensas por toda área coberta pela fralda. Um outro sintoma comum é
descamação da pele.

Como prevenir
Não deixe a pele do bebé muito tempo em contato com fezes ou urina;
Troque a fralda pelo menos a cada 3 horas e sempre que o bebé faça cocó;
Lave a zona íntima com água morna e seque a pele delicadamente sempre que muda a fralda;
Use fraldas com maior capacidade de absorção da fralda, pois haverá uma menor probabilidade de assaduras;
Evite usar fraldas muito apertadas, estas podem levar a assaduras por fricção;
Limpe a zona íntima do seu bebé com água morna e uma gaze (ou uma toalha macia de algodão) e sabão neutro, sem corantes, parabenos ou perfume;
Depois do banho, seque muito bem a zona íntima do seu bebé antes de colocar a fralda;
Em caso de uso de creme hidratante, espalhe muito bem para uma absorção total;
Procure aplicar um creme à base de vitamina A e de óxido de zinco para criar uma película que impede o contacto da pele com a urina e as fezes, deixando-a respirar.

Se a assadura não melhorar com estes cuidados, consulte o pediatra para perceber se é necessário recorrer a um tratamento mais específico.

Quando a assadura persiste por mais de três dias, o risco de contaminação por fungos ou bactérias aumenta. Esteja atento!